Carbono Galeria

Edições contemporâneas

Múltipla de múltiplos

Múltipla de múltiplos

São Paulo, 27.03 ~ 26.05.2013

 


"A exposição 'Múltipla de múltiplos', que inaugura a galeria Carbono em São Paulo, é quase uma tautologia do próprio conceito do gênero. Ela é múltipla, porque trabalha com a ideia de multiplicidade na arte contemporânea, porque expõe uma grande diversidade de artistas, obras, linguagens e suportes e porque a exposição – assim como os múltiplos, em particular e por princípio - propõe maior amplitude do acesso público à obra de arte.

Muitos artistas já declararam a importância social dos trabalhos artísticos executados em série, como Duchamp, Man Ray, Max Bill, Joseph Beuys e Andy Warhol, sempre ressaltando que as tiragens não eliminam a experiência espiritual da obra única, mas, ao contrário, constituem uma estratégia prodigiosa de disseminação das ideias.

Produzir um múltiplo é projetar a obra para além dos aspectos fetichistas e ritualísticos da tradição do original, associar-se ao espírito da mecânica moderna e da velocidade da informação contemporânea e, sobretudo, incrementar a ação política da obra de arte e sua penetração no domínio da cultura.

O múltiplo não equipara o trabalho de arte a uma mercadoria vulgar ou funcional, tampouco desvaloriza a integridade e o valor poético da imagem, apenas traz consigo a consciência da multiplicação como fator de alargamento do campo de ação da obra e das motivações conceituais do artista. E, afinal, hoje sabemos que a aura da obra de arte nunca se desfez com a sua reprodutibilidade."  

Ligia Canongia
curadoria


Clique aqui e veja as obras que participaram da mostra curada pela Ligia Canongia.

 

_
Ligia Canongia é crítica de arte e curadora independente. Graduada em Letras e pós-graduada em História da Arte e Arquitetura pela PUC-RJ, é autora de diversos livros, dentre eles “Eduardo Sued” (Cosac Naify) “O legado dos anos 60 e 70” (Zahar), “Artur Barrio” (Modo/ Petrobras), “Anos 80: Embates de uma geração” (Barléu/ Francisco Alves) e “Anos 60 a 80 na coleção Gilberto Chateaubriand” (Barléu / Francisco Alves). Realiza trabalhos de curadoria desde a década de 1980, no Brasil e no exterior. Foi titular da coluna de arte do jornal O Globo e assessora da Fundação Nacional de Arte (Funarte), assim como integrou a equipe de curadoria do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.Nos últimos anos, assinou as retrospectivas dos artistas Waltercio Caldas, Raymundo Colares, Jac Leirner e Angelo Venosa, e de outras exposições de grande porte, como as de Miguel Rio Branco e Mario Cravo Neto. Em 2009 e 2010, foi curadora da galeria da Casa de Cultura Laura Alvim, a convite do Governo do Estado do Rio de Janeiro, onde desenvolveu um programa de dez exposições individuais subseqüentes, dentre elas, as dos artistas José Damasceno, Antonio Dias, Vik Muniz, Ernesto Neto e Luiz Zerbini.