Carbono Galeria

Edições contemporâneas

Único

Único

São Paulo, 21.03 ~ 09.05.2014 

 

"Únicos e múltiplos. Múltiplos e únicos. O único pode ser múltiplo? Um múltiplo pode ser único? Isto seria possível ou se tratam de categorias absolutamente excludentes? Por oposição à Múltiplo quis dar o nome de Único a esta exposição. Não somente para sugerir uma possível ambigüidade entre os termos, que afinal é apenas uma designação técnica. Ninguém pretende possuir todos os múltiplos de um Múltiplo; e aquele que possui um Múltiplo entende e aprecia este com um Único. De modo que a percepção do Múltiplo pode variar dependendo dos diversos pontos de vista. Ainda assim, sugeri a alguns artistas que “perturbassem” a noção do Múltiplo, isto é, a identidade absoluta entre cada múltiplo. Introduzindo ligeiras alterações no processo de execução que a princípio produziria unidades idênticas, alguns artistas fizeram surgir séries de múltiplos diferenciados. O resultado é que a totalidade que os torna múltiplos pode ser idêntica, mas uma alteração da cor, da disposição dos elementos, etc., faz surgir pequenas diferenciações dentro da série, ampliando ainda mais a sugestão de uma possível multiplicidade única. Múltiplos e únicos são também os artistas de várias gerações e múltiplos e únicos o seus meios de expressão. A idéia era propor um experimento; e múltiplas e únicas foram as possibilidades que surgiram e que estão aqui presentes."

Paulo Venancio Filho

Curador



Artistas participantes:

Afonso Tostes
Ana Linnemann
Carlos Zilio
Célia Euvaldo
David Batchelor
Estela Sokol
Felipe Barbosa
Luiza Baldan
Marcello Nitsche
Marcelo Solá
Marco Giannotti
Maria Laet
Otavio Schipper
Paulo Monteiro
Rafael Alonso
Rodrigo Andrade
Tatiana Blass
Vânia Mignone

 

Clique aqui e veja as obras da exposição.

 

Sobre o curador:

 

Paulo Venancio Filho nasceu no Rio de Janeiro, em 1953. É curador, crítico de arte, professor na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador. Foi curador de importantes exposições, como a "30 x bienal - Transformações na arte brasileira da 1ª a 30ª edição" (Fundação Bienal), "O corpo da escultura: a obra de Iole de Freitas 1972-1997" (Museu de Arte Moderna de São Paulo/Paço Imperial-Rio de Janeiro, 1997/1998), "Carlos Zilio" (Centro de Arte Hélio Oiticica, 2000), "Rio de Janeiro 1950-1964 - Century City: Art and Culture in the Modern Metropolis" (Tate Modern, Londres, 2001), "Iberê Camargo: Diante da Pintura" (Pinacoteca do Estado de São Paulo/Paço Imperial- Rio de Janeiro), "Rachel Whiteread" (Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 2003/Museu de Arte Moderna, São Paulo, 2004);  "Soto: A construção da imaterialidade" (Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, 2005/Instituto Tomie Othake, São Paulo, 2005); "Nova Arte Nova" (Centro Cultural Banco do Brasil - Rio de Janeiro e São Paulo).