Carbono Galeria - Êxtase de Santa Teresa Magenta - Rodolpho Parigi

Carbono Galeria

Edições contemporâneas

< <

Rodolpho Parigi

São Paulo, 1977 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Rodolpho Parigi é um artista que possui o corpo e sua anatomia como pontos centrais de sua pesquisa. Produz principalmente pinturas e desenhos, além de fotografias e instalações. É formado em Artes Plásticas... veja mais

Êxtase de Santa Teresa Magenta
Gravura
Técnica
impressão digital sobre Hahnemühle Photo Rag Baryta 315g
Dimensões

( A x L)  100 x 100 cm
Data
2019
Edição
15 + 3PA

Há algum tempo Parigi desenvolve obras a partir da história da arte, criando releituras de pinturas clássicas, capas de discos históricas e a flora como um todo. As imagens sempre estão atreladas ao desejo, ao erotismo e a representação do corpo em última instância.

Não diferente e reforçando a cor como elemento central em suas pinturas e desenhos, Parigi recria uma imagem do rosto da escultura Êxtase de Santa Teresa do escultor barroco italiano Gian Lorenzo Bernini (século XVII) utilizando a técnica que nomeia “abstract nerveux”, que está intimamente relacionada a fragmentação da imagem, a potência da cor e ao trompe l’oeil  que acontece na figura, ora sendo uma abstração geométrica ora tornando-se o rosto da Santa.

A expressão do êxtase de Santa Teresa que tornou-se um ícone na contemporaneidade, pois ao mesmo tempo aborda sexualidade, religião e Pop Art, ganha mais camadas incitantes nas mãos de Rodolpho Parigi. 

 

A edição é numerada, assinada e vem acompanhada de certificado de autenticidade.

Mais obras deste artista
  1. Abstraction nerveux 2
  2. Êxtase de Santa Teresa Violeta
  3. Fancy Violence
  4. Metamorfoses I
  5. Metamorfoses I, II e III
  6. Metamorfoses II
  7. Metamorfoses III
Biografia

São Paulo, 1977 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Rodolpho Parigi é um artista que possui o corpo e sua anatomia como pontos centrais de sua pesquisa. Produz principalmente pinturas e desenhos, além de fotografias e instalações. É formado em Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e já participou de importantes mostras e residências artísticas. Destacam-se as exposições realizadas no Instituto Tomie Ohtake (São Paulo), na Pivô (São Paulo), no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (São Paulo), no Museu de Arte Moderna da Bahia (Salvador), no Rabitthole Space (Nova York), no Paço das Artes (São Paulo) e na Casa Modernista (São Paulo), além da residência na Cité des Arts (Paris). Suas obras fazem parte de importantes coleções como: Pinacoteca do Estado de São Paulo, Itaú Cultural, Museu de Arte Moderna da Bahia, Museu de Arte de Ribeirão Preto.

O artista é movido por uma intensa relação entre a visualidade e a história da arte. Seu processo criativo envolve experiências pictóricas e cruzamentos entre pesquisas de fontes diversas, como livros de artistas e de anatomia, pôsteres musicais, entre outros.

O início de seu trabalho é marcado por pinturas que ocupavam espaços arquitetônicos, como paredes e fachadas de edifícios, como se pode ver na série Apropri_Ação. Nestas obras, o artista cria construções que misturam geometrias (muitas vezes relacionadas diretamente com a superfície na qual foram produzidas) e elementos com formas orgânicas. Além das pinturas murais, Rodolpho também produz pinturas e desenhos sobre tela, superfícies explosivas que parecem extrapolar os limites do plano. Nelas, o artista explora a geometria e a ideia de decomposição dos elementos, relacionando as formas com as cores e os tons escolhidos. Se nas obras murais o preto é predominante, nas telas Rodolpho faz uso de cores diversas, com tons industriais.

Apesar dos estudos de corpos já existirem em suas pesquisas, eram poucos explorados em suas obras. Na mostra Atraque (2011), vemos esses estudos ganharem força e se tornarem o foco do artista. São apresentadas pinturas e desenhos que refletem um interesse genuíno do artista pela transformação do natural, por sua apropriação e criação humana. Rodolpho cria imagens em que cruza figuras de naturezas diferentes: homens, plantas e libélulas, por vezes em composições aparentemente caóticas, como em Grace Jones e Magenta Bacanal. Além disso, o magenta se afirma com a cor mais potente.

Em obras mais recentes, o artista continua a explorar as anatomias e construções de figuras híbridas. Em Atlas, a partir de desenhos do corpo humano, o artista faz colagens criando novos organismos. Na série Bestiaire, Rodolpho vai além e desenha figuras ambíguas, que parecem ser baseadas na anatomia humana, mas que tomam formas desconhecidas. Em suas próprias palavras: "Eu desenho e pinto as figuras com a vontade de transfigurar corpos e idéias pré estabelecidas, confusão de gêneros e a exploração das fronteiras entre imagens reais ou simuladas."

Foi nesse contexto de metamorfoses, liberdade com o corpo e hibridismos que, em 2013, foi encarnada a personagem Fancy Violence. Segundo Bernardo de Souza: “Fancy Violence é uma anti-heroína, assassina incansável em sua missão iconoclasta, destruidora de mitos, de farsantes colecionadores e suas obras-primas...Ela aniquila a pintura, a geometria e o corpus de trabalho artístico para garantir fôlego a este novo ser que se alimenta de resíduos pictóricos, fragmentos de história e arroubos sexuais; ao explodir a tela, deu tridimensionalidade aos monstros anteriormente plasmados no óleo.”

No entanto, quando a obra de Rodolpho parece tomar a direção irrestrita da pesquisa das formas anatômicas, o universo geométrico se faz novamente presente em obras como Magenta Abstract Nervoux Pink Flamingos e Êxtase de Santa Teresa Nervoux, ressaltando que uma obra é feita de fluxos com movimentos não lineares e que pesquisas olham também para sua própria história.

O artista contou recentemente com algumas iexposições, como: "Sem Título", na galeria Casa Triângulo (2018); Modelo vivo - Fancy Violence, Pinacoteca do Estado, São Paulo, Brasil (2017); El Bestiário, Sketch, Bogotá, Colombia (2014), todas individuais; A Parte Maldita: Um Esboço, SIM Galeria, São Paulo, Brasil (2019); QueerMuseu, Santander Cultural, Porto Alegre, Brasil (2017); Histórias da Sexualidade, MASP, São Paulo, Brasil (2017), todas coletivas.

Galerias Representantes
Destaques da Carreira

A obra Atlas (2012) apresentada na mostra Febre, na Galeria Pivô (São Paulo), em 2013.

Ocupação a pipa, Praça Victor Civita, São Paulo, 2013.

Vista da obra Tamoio encontra Moema (2013).

   
  1. Todas as categorias
       
    1. Todas as categorias
    2. Carbono Voucher
    3. Desenho
    4. Escultura
    5. Fotografia
    6. Gravura
    7. Instalação
    8. Joia
    9. Objeto
    10. Pintura
    11. Relevo de parede
    12. Serigrafia
    13. Vídeo
  2. Artistas A-Z
       
    1. Menor valor
    2. Maior valor
    3. Obras A-Z
    4. Obras Z-A
    5. Artistas A-Z
    6. Artistas Z-A
    7. Maior tamanho
    8. Menor tamanho
  3. Acervo completo
       
    1. Acervo completo
    2. A palavra palavra
    3. A Pegada Pop
    4. Américas Amigas
    5. Art Rio 2014
    6. ArtRio 2015
    7. Cinéticos e Construtivos
    8. Curadoria Agnaldo Farias
    9. Curadoria Daniel Rangel
    10. Curadoria Ligia Canongia
    11. Curadoria Maria Montero
    12. Curadoria Paulo Miyada
    13. Curadoria Paulo Venancio Filho
    14. Curadoria Vanda Klabin
    15. Dia de doar
    16. Dia dos namorados
    17. Dublê de corpo
    18. Elogios da cor
    19. IAC
    20. Instituto Reciclar
    21. Lançamentos
    22. Lembre-se de lembrar
    23. Lista de Casamento Carolina e Dado
    24. Lista de Casamento Marina e Pedro
    25. Múltipla de Múltiplos
    26. Múltiplos Pivô
    27. Myxathesys
    28. Nazareno
    29. O importante, minha filha, é nunca tirar a mão do barro
    30. O que emana da água
    31. O tempo e os tempos
    32. PALAVRA-COISA
    33. Releituras da natureza-morta
    34. Sp Arte 2014
    35. Sp Arte 2017
    36. SP Arte Foto 2015
    37. Tão diferentes, tão atraentes
    38. Toscana: caminhos e constrastes
    39. Universo
    40. Variações
  4. Visualizar
       
 
  1. Sem título

    Angelo Venosa

    Escultura

    Técnica acrílico

    ( A x L x P)  26 x 33 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  2. Sem título

    Artur Lescher

    Escultura

    Técnica porcelana e couro

    ( A x L x P)  60 x 6 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  3. Sem título

    Carlos Vergara

    Fotografia

    Técnica impressão sobre placas de poliestireno recortadas e montadas

    ( A x L)  63 x 65 cm
    Data 2013
    Edição 10

  4. Sem título

    Iole de Freitas

    Escultura

    Técnica aço inox e policarbonato

    ( A x L x P)  70 x 35 x 20 cm
    Data 2013
    Edição 10