Carbono Galeria - Sem título - Nino Cais

Carbono Galeria

Edições contemporâneas

< <

Nino Cais

São Paulo, 1969 | Vive e trabalha em São Paulo

A mediação entre corpo e ambiente, seja ele natural ou edificado, é o tema central da obra de Nino Cais e são o desenho, os objetos, a colagem, a fotografia e a instalação seus... veja mais

Sem título
Fotografia
Técnica
Fotografia e objeto
Dimensões

( A x L x P)  115 x 70 x 8 cm
Data
2013
Edição
15

"Sem Título" é uma obra composta por uma fotografia e um objeto. Uma figura que nos parece tão palpável quanto o instrumento. Não por acaso, este atravessa a foto, está atrelado a ela. A imagem síntese é composta por poucos elementos: pele de carneiro, pedra e mão. E novamente, o entrelaçamento é tal que não se sabe de onde vem a mão e se seria possível sustentar a pedra sem a pele, nem o quanto pele e mão estão unidas. É um conjunto único, simbiótico. A obra de Nino Cais nos faz pensar em anos remotos da história humana. Mas ao mesmo tempo, o objeto dourado e o refinamento no trato com a madeira, bem como a bela e bem tratada mão, não nos permite precisar nada. É um tempo suspenso. Nos intriga também a centralidade da pedra o brilho da ferramenta. Ferramenta esta recorrente no trabalho do artista. Os utensílios são para Nino os interlocutores entre o homem e a natureza. Sem eles, o homem não conseguiria modificá-la, não poderia se apropriar dela. A obra nos faz pensar na retirada da pedra de seu ambiente natural, na mão do homem que age e usa os elementos naturais para a construção de seu meio, de seu habitat.

Biografia

São Paulo, 1969 | Vive e trabalha em São Paulo

A mediação entre corpo e ambiente, seja ele natural ou edificado, é o tema central da obra de Nino Cais e são o desenho, os objetos, a colagem, a fotografia e a instalação seus meios de expressão. É formado em artes plásticas na Faculdade Santa Marcelina (Fasm). Já expôs individualmente no Paço das Artes (Temporada de Projetos), no Centro Cultural São Paulo (Programa de Exposições), na Fundação Nacional de Arte (Edital Funarte - SP) e coletivamente no Metropolitan Pavillon (Nova York), na 30ª Bienal de São Paulo, no Instituto Tomie Ohtake, no Museu de Arte Moderna da Bahia, no Itaú Cultural, entre outros espaços. Em 2005, foi mapeado pelo Rumos Artes visuais e em 2008, recebeu o Prêmio Destaque, da Fundação Iberê Camargo, e o Prêmio Aquisitivo do Museu de Arte de Ribeirão Preto. Sua obra está em coleções como a do MAM-BA, do MARP e do SESC.

São os corpos os elementos básicos de investigação de Nino Cais. Os corpos humano e material. O artista analisa cada um deles e as relações entre eles. Relações estas que envolvem também os lugares ao redor de seus personagens e de seus objetos. 

Há um jogo constante entre o homem tratado como objeto, ou até mesmo como escultura e o objeto como intermediário entre corpo e espaço. Em diversos trabalhos fotográficos, ora Nino se oculta, ora se expõe. Quando se mostra, parece querer estar mediado por utensílios e ferramentas, como em Maiastra (2007), ou em Sem Título (2004), em que a figura de Nino aparece duas vezes, em posições diferentes, separadas por uma parede, copos, xícaras, leiteiras e baldes (todos duplicados). E quando tem seu rosto coberto, se iguala aos adereços que compõem a imagem, se funde a eles.

Em outros trabalhos, estes já volumétricos, o artista investiga as coisas, não somente em aspectos formais, mas suas simbologias, e as aproxima. O que seria uma cadeira com pés de foices? Ou com pés de pás? 

Um aspecto interessante na obra de Nino é que há as imagens são sempre compostas por múltiplos elementos. Há constantemente a soma de fragmentos em um único campo, a colagem e a sobreposição de diversas peças e todas elas, uma a uma, são importante para a construção da figura final. Na série Décor, os personagens, sempre sem rostos, são tomados por peças que lhes serve como instrumento de identificação. No entanto, tais colagens não buscam somente apontar qual objeto faz parte de qual personagem especificamente, mas criar imagens tipo de toda uma década.

Apesar da base histórica ser bastante presente nos trabalhos do artista, sua história nunca é oficial, trata-se de estórias. Nino Cais nos transporta a diferentes tempos, a diferentes momentos da história, que recriamos de acordo com nossas experiências e memória. Nino inventa mundos, em que constrói os objetos, os personagens e a ordem entre eles. São estórias fantásticas, narrativas particulares e ao mesmo abertas a múltiplas possibilidades. São obras na iminência do movimento, que estão paralisadas quase como em um frame de cinema.

Em "A educação pelos objetos", Agnaldo Farias faz uma instigante colocação a respeito de sua obra: "Que mundo será esse inventado por Nino Cais? Seriam os objetos os instrumentos de captação de uma realidade oculta e o emprego de novas sintaxes entre eles o deflagrador de novos espaços e, com eles, de novas possibilidades do nosso corpo? O fato é que, nesse mundo de parcas experiências, o que pode o nosso corpo trazer sob a forma de memória? A necessidade de reinventá-lo passa forçosamente pela reeducação dos nossos gestos e ações, voltarmos a receber outras lições das coisas, as mesmas coisas de sempre."1

 

1. FARIAS, Agnaldo. A educação pelos objetos. Fonte: http://www.centralgaleriadearte.com/a_cais/textos.php

Galerias Representantes
Destaques da Carreira

Sala com trabalhos do artista na 30ª Bienal Internacional de São Paulo: A Iminência das Poéticas (2012).

A obra Armadilha para não pegar esteve presente na mostra Intervenção Os Pássaros, na Mostra SESC, no SESC Itaquera (São Paulo - 2012). A obra faz parte da coleção do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo.

Instalação na mostra individual Ficções, no Centro Cultural Banco do Nordeste (Fortaleza), em 2012. Este trabalho ganhou um prêmio no MAM da Bahia e foi adquirido pelo museu em 2010.

Detalhe da fotografia, que junto de colagens e um vídeo, participou da exposição coletiva Os primeiros 10 anos, no Instituto Tomie Ohtake, em 2012.

   
  1. Todas as categorias
       
    1. Todas as categorias
    2. Carbono Voucher
    3. Desenho
    4. Escultura
    5. Fotografia
    6. Gravura
    7. Instalação
    8. Joia
    9. Objeto
    10. Pintura
    11. Relevo de parede
    12. Serigrafia
    13. Vídeo
  2. Artistas A-Z
       
    1. Menor valor
    2. Maior valor
    3. Obras A-Z
    4. Obras Z-A
    5. Artistas A-Z
    6. Artistas Z-A
    7. Maior tamanho
    8. Menor tamanho
  3. Acervo completo
       
    1. Acervo completo
    2. A palavra palavra
    3. A Pegada Pop
    4. Américas Amigas
    5. Art Rio 2014
    6. ArtRio 2015
    7. Cinéticos e Construtivos
    8. Curadoria Agnaldo Farias
    9. Curadoria Maria Montero
    10. Curadoria Paulo Miyada
    11. Curadoria Paulo Venancio Filho
    12. Dia de doar
    13. Dia dos namorados
    14. Dublê de corpo
    15. Instituto Reciclar
    16. Lançamentos
    17. Lembre-se de lembrar
    18. Lista Casamento Caroline Cordeiro e Fernando Rocha
    19. Lista de Casamento Fabiana e Cristian
    20. Lista de casamento Gabriella e Thiago
    21. Múltipla de Múltiplos
    22. Myxathesys
    23. Nazareno
    24. O importante, minha filha, é nunca tirar a mão do barro
    25. O tempo e os tempos
    26. Releituras da natureza-morta
    27. Sp Arte 2014
    28. Sp Arte 2017
    29. SP Arte Foto 2015
    30. Tão diferentes, tão atraentes
    31. Universo
    32. Variações
  4. Visualizar
       
 
  1. Sem título

    Angelo Venosa

    Escultura

    Técnica acrílico

    ( A x L x P)  26 x 33 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  2. Sem título

    Artur Lescher

    Escultura

    Técnica porcelana e couro

    ( A x L x P)  60 x 6 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  3. Sem título

    Carlos Vergara

    Fotografia

    Técnica impressão sobre placas de poliestireno recortadas e montadas

    ( A x L)  63 x 65 cm
    Data 2013
    Edição 10

  4. Sem título

    Iole de Freitas

    Escultura

    Técnica aço inox e policarbonato

    ( A x L x P)  70 x 35 x 20 cm
    Data 2013
    Edição 10