Carbono Galeria - Sem título - Carlos Fajardo

Carbono Galeria

Edições contemporâneas

< <

Carlos Fajardo

São Paulo, 1941 | Trabalha em São Paulo, Brasil.  

Carlos Fajardo cria principalmente instalações, e sua obra também transita entre a pintura e a escultura, uma e outra se permeando constantemente. Participou da Bienal de São Paulo nas 9ª, 16ª, 19ª e 25ª... veja mais

Sem título
Relevo de parede
Técnica
vidro laminado, vidro comum e madeira
Dimensões

( A x L x P)  50 x 100 x 11 cm
Data
2013
Edição
10

Recentemente, Carlos Fajardo tem explorado as relações complexas entre imagens espelhadas, ocultamento e a visibilidade do outro. Este trabalho trata dessas relações sob um aspecto intimista e próximo. Devido ao uso do preto blackout, é como se sua imagem fosse vista na escuridão.

Biografia

São Paulo, 1941 | Trabalha em São Paulo, Brasil.  

Carlos Fajardo cria principalmente instalações, e sua obra também transita entre a pintura e a escultura, uma e outra se permeando constantemente. Participou da Bienal de São Paulo nas 9ª, 16ª, 19ª e 25ª edições. Também esteve presente nas 45ª e 48ª edições da Bienal de Veneza, na 9ª Bienal de Cuenca e na 1ª Bienal do Mercosul. Realizou exposições coletivas e individuais em várias instituições do mundo, e sua obra integra coleções como a do MAM – Museu de Arte Moderna e MAC – Museu de Arte Contemporânea, ambos em São Paulo; e de outras coleções públicas e particulares.

O Grupo Rex, marco da arte brasileira, foi o ponto de partida para que Carlos Fajardo se inserisse na cena artística dos anos 1960. Tendo estudado com Regina Silveira, junta-se ao grupo formado inicialmente por Wesley Duke Lee (que também foi seu professor), Nelson Leirner e Geraldo de Barros, que pretendia criticar a situação da arte brasileira naquele momento. De modo irônico e bem-humorado, os integrantes do grupo, do qual participaram também José Resende e Frederico Nasser, criaram o jornal Rex Time e desenvolveram um espaço expositivo, a Rex Gallery and Sons para discutirem a arte como mercadoria, a crítica dominante, o lugar do espectador. Em seguida, num momento de crise política no país, funda a Escola Brasil:, junto a José Resende e Luiz Paulo Baravelli, com a proposta de ensinar arte de uma forma “antiacadêmica”, “abolindo a fragmentação do conhecimento artístico”. Fajardo permanece formando outros artistas e leciona na ECA USP – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Segundo Ivo Mesquita, “o rigor do seu trabalho é enriquecido pela ambiguidade de sua sensibilidade que transita entre o masculino e o feminino (…) mais que afirmar a tradição da Modernidade (…) deixa aberta a possibilidade de deslocamentos para outros territórios”. É assim que, tanto na pintura quanto na escultura, a obra de Carlos Fajardo constrói velamentos, vãos, limites. Desde sua obra inicial, na qual produzia principalmente trabalhos bidimensionais, até sua obra mais atual, em que as questões de plano e meio se contaminam, o artista sempre pensou a superfície, seja ela do suporte, do material ou mesmo do sentido.  

Galerias Representantes
Destaques da Carreira

Obra de 2012, composta de fotografias montadas sobre chapas de acrílico azul.

Obra de 2012, composta de feltro, espelho vidro, sobre montagem em madeira.

Obra de 1989, composta de 12 mil tijolos, que formam uma pirâmide invertida.

   
Bibliografia
Titulo Poéticas visuais: a profundidade e a superfície
Autor Carlos Fajardo
Editora Pallotti
Páginas 58
  1. Todas as categorias
       
    1. Todas as categorias
    2. Carbono Voucher
    3. Desenho
    4. Escultura
    5. Fotografia
    6. Gravura
    7. Instalação
    8. Joia
    9. Objeto
    10. Pintura
    11. Relevo de parede
    12. Serigrafia
    13. Vídeo
  2. Artistas A-Z
       
    1. Menor valor
    2. Maior valor
    3. Obras A-Z
    4. Obras Z-A
    5. Artistas A-Z
    6. Artistas Z-A
    7. Maior tamanho
    8. Menor tamanho
  3. Acervo completo
       
    1. Acervo completo
    2. A palavra palavra
    3. A Pegada Pop
    4. Américas Amigas
    5. Art Rio 2014
    6. ArtRio 2015
    7. Cinéticos e Construtivos
    8. Curadoria Agnaldo Farias
    9. Curadoria Maria Montero
    10. Curadoria Paulo Miyada
    11. Curadoria Paulo Venancio Filho
    12. Dia de doar
    13. Dia dos namorados
    14. Dublê de corpo
    15. Instituto Reciclar
    16. Lançamentos
    17. Lembre-se de lembrar
    18. Lista Casamento Caroline Cordeiro e Fernando Rocha
    19. Lista de Casamento Fabiana e Cristian
    20. Lista de casamento Gabriella e Thiago
    21. Múltipla de Múltiplos
    22. Myxathesys
    23. Nazareno
    24. O importante, minha filha, é nunca tirar a mão do barro
    25. O tempo e os tempos
    26. Releituras da natureza-morta
    27. Sp Arte 2014
    28. Sp Arte 2017
    29. SP Arte Foto 2015
    30. Tão diferentes, tão atraentes
    31. Universo
    32. Variações
  4. Visualizar
       
 
  1. Sem título

    Angelo Venosa

    Escultura

    Técnica acrílico

    ( A x L x P)  26 x 33 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  2. Sem título

    Artur Lescher

    Escultura

    Técnica porcelana e couro

    ( A x L x P)  60 x 6 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  3. Sem título

    Carlos Vergara

    Fotografia

    Técnica impressão sobre placas de poliestireno recortadas e montadas

    ( A x L)  63 x 65 cm
    Data 2013
    Edição 10

  4. Sem título

    Iole de Freitas

    Escultura

    Técnica aço inox e policarbonato

    ( A x L x P)  70 x 35 x 20 cm
    Data 2013
    Edição 10