Carbono Galeria - Tijolinhos 4 - Sérgio Sister

Carbono Galeria

Edições contemporâneas

< <

Sérgio Sister

São Paulo, 1948 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.Sérgio Sister produz pinturas, desenhos e volumes pictóricos. Participou das 9ª e 25ª edições da Bienal de São Paulo, Brasil (1967, 2002). Ao longo de sua carreira teve mais de vinte exposições individuais, entre elas uma retrospectiva na Pinacoteca... veja mais

Tijolinhos 4
Relevo de parede
Técnica
óleo sobre tela colada em tubo de alumínio
Dimensões

( A x L x P)  18 x 23 x 8 cm
Data
2013
Edição
5

A série que Sérgio Sister criou com exclusividade para a Carbono Galeria é composta de quatro pequenas edições. Cada conjunto de Tijolinhos traz em si os conceitos espaciais explorados no trabalho mais recente do artista, que os desenvolve a partir de madeira, alumínio e alumínio entelado, sobre os quais aplica cores.

Mais obras deste artista
  1. Tijolinhos 1
  2. Tijolinhos 2
  3. Tijolinhos 3
Biografia

São Paulo, 1948 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.Sérgio Sister produz pinturas, desenhos e volumes pictóricos. Participou das 9ª e 25ª edições da Bienal de São Paulo, Brasil (1967, 2002). Ao longo de sua carreira teve mais de vinte exposições individuais, entre elas uma retrospectiva na Pinacoteca do Estado de São Paulo em 2012. Está nas coleções do Centro Cultural São Paulo, na Coleção Itaú, Instituto Figueiredo Ferraz, MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo e do Rio de Janeiro, e da Pinacoteca do Estado de São Paulo.


Apesar de começar a pintar ainda na década de sessenta, Sérgio Sister inicia sua carreira como artista nos anos oitenta. Correspondendo à tendência dessa época de um retorno à pintura, que havia sido deixada de lado pelos artistas conceituais dos anos setenta, Sister é influenciado pela tradição construtiva brasileira. Quando abandona o figurativismo, cobrindo uma tela com grossas camadas de tinta preta, o artista inicia a investigação que se estende pela sua obra até hoje.

Através de pinceladas expressivas e gestos visíveis, podemos notar em suas telas dos anos 1980 e 1990 o modo como a luz externa influencia a percepção da cor, possibilitando trocas entre o ambiente e a pintura. As tintas utilizadas pelo artista algumas vezes são agregadas a materiais metálicos como mica ou alumínio que reforçam ainda as questões relacionadas à profundidade, reflexão e campos de luz em oposição à sombra.

Na década de noventa, suas obras expandem-se ao campo tridimensional, quando o artista cria as primeiras ripas e, anos mais tarde, os primeiros Pontaletes. Nestes relevos, longas ripas de madeira em cores diferentes são apoiadas na parede e equilibradas na vertical e horizontal formando ângulos retos. Em consonância com este trabalho o artista desenvolve também a série Ripas, que de modo mais sintético alinha as mesmas buscas: são dípticos ou trípticos feitos com ripas, desta vez suspensas na parede. Mais adiante, Sister desenvolve a série Caixas, com base em caixas de frutas: nestes trabalhos as relações entre cores, luz, sombra e profundidade tornam-se ainda mais nítidas.

Sobre os múltiplos Sérgio Sister diz que “objetivamente, o múltiplo é uma forma de ampliar o acesso às obras de arte. Por não se tratar de um objeto único, mas multiplicado, seu preço é menor. Na teoria, a multiplicação é vista como uma tendência moderna à desmistificação da aura do objeto único, que lhe daria um valor excepcional devido a essa qualidade. A multiplicação seria democratização do objeto de arte.” E o artista acrescenta ainda sobre a obra que criou para a Carbono: “Estes tijolinhos fazem parte do mesmo universo de produção de todos os meus outros volumes. Vieram no processo de construção da pintura no espaço, inicialmente (na década de 1990) sobre tijolos baianos, depois substituídos por retângulos de madeira e metal. Eles combinam e projetam cores no espaço comum, procurando assim dar à pintura mais um tipo de vivência.”  

 

 

Galerias Representantes
Destaques da Carreira

Pontaletes e Ripas na exposição individual Pinturas face a face, no Instituto Tomie Ohtake, em 2007. Foto: Ding Musa.

Vista de exposição individual na Galeria Nara Roesler.

Exposição retrospectiva com trabalhos do artista entre 1990 a 2012, na Pinacoteca do Estado, em 2013. Foto: Eduardo Ortega.

   
  1. Todas as categorias
       
    1. Todas as categorias
    2. Desenho
    3. Escultura
    4. Fotografia
    5. Gravura
    6. Instalação
    7. Joia
    8. Objeto
    9. Pintura
    10. Relevo de parede
    11. Serigrafia
    12. Vídeo
  2. Artistas A-Z
       
    1. Menor valor
    2. Maior valor
    3. Obras A-Z
    4. Obras Z-A
    5. Artistas A-Z
    6. Artistas Z-A
    7. Maior tamanho
    8. Menor tamanho
  3. Acervo completo
       
    1. Acervo completo
    2. A palavra palavra
    3. A Pegada Pop
    4. Art Rio 2014
    5. ArtRio 2015
    6. Camila Castanho e Gabriel Dib
    7. Cinéticos e Construtivos
    8. Curadoria Agnaldo Farias
    9. Curadoria Paulo Venancio Filho
    10. Dia de doar
    11. Dia dos namorados
    12. Dublê de corpo
    13. Fabiana e Cristian
    14. Instituto Reciclar
    15. Lançamentos
    16. Laura Buchamar e Paulo Rogério
    17. Lembre-se de lembrar
    18. Múltipla de Múltiplos
    19. Myxathesys
    20. Nazareno
    21. O tempo e os tempos
    22. Releituras da natureza-morta
    23. Sp Arte 2014
    24. Sp Arte 2017
    25. SP Arte Foto 2015
    26. Universo
    27. Variações
  4. Visualizar
       
 
  1. Sem título

    Angelo Venosa

    Escultura

    Técnica acrílico

    ( A x L x P)  26 x 33 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  2. Sem título

    Artur Lescher

    Escultura

    Técnica porcelana e couro

    ( A x L x P)  60 x 6 x 25 cm
    Data 2013
    Edição 30

  3. Sem título

    Carlos Vergara

    Fotografia

    Técnica impressão sobre placas de poliestireno recortadas e montadas

    ( A x L)  63 x 65 cm
    Data 2013
    Edição 10

  4. Sem título

    Iole de Freitas

    Escultura

    Técnica aço inox e policarbonato

    ( A x L x P)  70 x 35 x 20 cm
    Data 2013
    Edição 10